Ouse


Arrisque- se a viver ou ficará podado em si.

Para você que traz alegria e paz a minha vida.


Eu amo quando sorri,
Eu amo quando me olha,
Eu amo quando ouço a sua voz
chamando meu nome,
Eu amo quando você respira bem perto,
bem junto ao meu corpo,
Eu amo quando você me toca e
acaricia meus cabelos,
Eu amo quando seus braços me envolvem
de carinho e proteção,
Eu amo quando você simplesmente me beija e
me faz sentir emoção,
Eu amo sua existência tão forte dentro
do meu coração,
Eu amo cada parte do és, do que sente e
principalmente do que vive.
Eu amo amar e ser amada por você.

Encerrando Ciclos


Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final. Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver. Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos - não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram.

Foi despedido do trabalho? Terminou uma relação?
Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país?
A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu. Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seu marido ou sua esposa, seus amigos, seus filhos, sua irmã, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora. Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração - e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.
Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”. Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará.

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante. Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é.


Fernando Pessoa

Única

Não espero nada de ti!
Nem que me ames perdidamente...
Conformo-me, neste meu existir,
vivo por te amar somente!

São tuas as flores todas que vejo,
o perfume da noite com chuva miúda!
O pensamento olhando a doçura dos beijos
de um casal dividindo o guarda-chuva!

São tuas as aves vadias,
a lua que dorme na amplidão...
A saudade que em mim permeia,
trazida na lembrança de qualquer canção!

São tuas, sempre tuas, as belezas que
a vida me traz...
A leveza do vento na calmaria,
em céu de toda alegria,
balançando um campo de trigais!

São tuas as crianças...
A enfeitarem de gritos toda rua!
São teus os velhos que ainda seguem
apaixonados, exemplos de amor além
sepultura...

São tuas as neves branquinhas,
que cobrem os telhados nas colinas...
As fendas no desgelo com regatos
a correrem com suas águas cristalinas!

São tuas as belezas que vejo,
do mar que leva os pescadores!
Dos penhascos que recebem os ninhos,
que abrigam o reino dos condores...

São teus os ritmos,
que inspiram as espumas dançantes...
O baile, suave e marítimo,
das ondas nas praias errantes!

Tudo de belo que vejo é teu!
Nada quero, por isto, em meu viver.
São teus apenas cada parte pulsante do que sinto,
Cada minuto que suspiro ao lado teu

São teus o brilho que carrego em meu olhar,
A essência de tudo que vivo,
A melhor parte do que sou
A única e exclusiva existente forma de amor.

Observo que...



A arte de dissimular impedem muitos de ver a verdadeira face do mal.
Kelly Rodrigues. Tecnologia do Blogger.